Entrar
no grupo

Fim da valorização do salário mínimo: 48 milhões de pessoas são duramente atingidas

salario-minimo-bolsonaro
Imagem:
Compartilhe:

Fim da valorização do salário mínimo

O governo de Jair Bolsonaro anunciou nesta segunda-feira, dia 15, que o salário mínimo não vai mais contar com reajuste acima da inflação. Segundo o governo da extrema direita, o orçamento da União de 2020 prevê apenas o repasse da inflação. 

Desde 2008, o menor salário pago no Brasil passou a contar com uma política oficial de valorização, com o repasse da inflação do ano anterior somado à variação do PIB de dois anos atrás. A regra de valorização foi estabelecida no governo Lula e foi transformada em lei no governo Dilma, em 2011.

A política de valorização do salário mínimo é uma das principais medidas adotadas no Brasil, sendo responsável por elevar substancialmente o poder de compra dos mais pobres, estimular a economia brasileira e reduzir as desigualdades sociais e regionais no país. 

Em 2004 o valor do salário mínimo era de R$ 260,00. Com a política de valorização além da reposição da inflação, houve aumento real de 74,33% até janeiro de 2019.

Segundo o Dieese, sem o repasse da variação do PIB e apenas com a reposição da inflação, como propõe agora Jair Bolsonaro, o valor atual do salário mínimo seria de R$ 573,00.

Atualmente, cerca de 48 milhões de pessoas recebem remuneração correspondente ao salário mínimo, como assalariados, aposentados e pensionistas, trabalhadores por conta-própria, domésticos.

O fim da política aumento do salário mínimo acima da inflação é mais uma demonstração de que o governo Bolsonaro é inimigo da população trabalhadora.

“O povo brasileiro não pode aceitar calado à mais esse retrocesso. Valorizar o salário mínimo é decisivo para combater as desigualdades sociais e garantir um mínimo de dignidade para as pessoas mais pobres”, garante Edson Carneiro Índio, Secretário Geral da Intersindical. “Mas é necessário destacar que a melhoria do salário mínimo é fundamental para restabelecer o crescimento e dinamizar a economia brasileira. Bolsonaro é o governo dos ricos”, conclui Índio. 

1° de Maio unitário e de luta

A defesa da valorização do salário mínimo, da geração de empregos com direitos, da aposentadoria e da previdência pública são as principais reivindicações que levam as centrais sindicais a convocar o histórico 1° de Maio Unitário em todo o País. 

Até lá, a população trabalhadora está chamada a participar do abaixo assinado contra a deforma da previdência e a debater, nas comunidades e nos locais de trabalho, as diversas medidas do governo Bolsonaro que atentam contra as conquistas e os direitos do povo brasileiro.

É muito importante, também, elevar a pressão sobre deputados e senadores a fim de garantir a valorização do salário mínimo, a geração de empregos com direitos e a manutenção da aposentadoria do povo.


SAIBA TAMBÉM:

Calcule sua aposentadoria
Abaixo-assinado contra o fim da aposentadoria
Baixe o jornal da Reforma da Previdência 2019
Baixe a Cartilha Contra o Fim da Aposentatoria


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

 
Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2014-2024. Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam

Cadastre-se

Receba novidades em seu e-mail. Sem spams.
Pular para o conteúdo