Entrar
no grupo

Bacurau, essa bruta flor poética e resistente do Sertão

Imagem:
Compartilhe:

Bacurau, sinônimo de violências simbólicas e reais: quando resistir para viver é muito além de um slogan ou palavra de ordem retórica!

O filme Bacurau é um chamado a resistência coletiva. E um chamado a rebeldia e a rebelião popular. Misto de ciência, jogos mortais, ficção científica, religiosidade e sobretudo a herança popular e histórica do cangaço.

A fictícia Bacurau e uma cidade como tantas outras do sertão brasileiro, tão perto de um Deus imaginário e mais perto ainda de infernos reais, da falta d’água e de outros direitos básicos a sobrevivência humana e digna.

Mas essa cidade tem algo que é fundamental… tem famílias que sabem o valor da educação, tem livros e biblioteca, tem professores, cultura e, consequentemente, resistência e coragem!

A coragem das mulheres e homens, da sua diversidade humana e sexual em pleno sertão. Nos faz lembrar Chico Science e o seu movimento “Mangue Beat” da lama ao caos para organizar o povo e desorganizar a opressão da desigualdades capitalistas sempre presente nesse território de fortes e brutos.

Os seus atiradores, personagens da cidade, seus mortos e sua sabedoria popular é e sempre será uma pedra no domínio do capital e da opressão.

A rebelião proposta não é só simbólica é real. Aos olhos de uma elite brutal, herdeira do eurocentrismo como a brasileira, somos todos negros ou quase negros. Mesmo os brancos não são suficientes brancos e bem sucedidos. Segundo essas elites, devemos todos morrer. Não importa por sede, fome, falta de remédios, comida vencida e envenenada ou na bala.

Lembro quando a Dilma foi cassada via golpe, apesar dos muitos erros e acertos do petismo, eu disse há alguns amigos, numa mesa silenciosa, com tristeza e a apreensão daquela dias, que, a partir daquele momento as coisas seriam diferentes, piores e violentas. As saídas à direita e à esquerda seriam e serão mais violentas e rudes do que o pacto representativo de um simulacro de democracia representativa, que temos ou tínhamos pós 1985 do final da ditadura ao pacto democrático rompido em 2016.

Outra observação que é importante refletir é que Bacurau mostra que essa sociedade doentia, violenta e tecnológica, mais cedo ou mais tarde cruzando toda as informações que têm, de todos nós, que inclusive fornecemos gratuitamente, cientes ou não, aos Google da vida, às grandes corporações e conglomerados da infovia, mandarão num futuro breve um drone nos matar, caso não nos enquadrarmos ou resistirmos.

A rebelião proposta não é só simbólica é real. Não somos suficientes brancos ou bem sucedidos segundo as elites e devemos morrer. Seja de sede de fome ou na bala.

O ódio de quem invade ou combate,os moradores de Bacurau é o mesmo expressado por procuradores, promotores e juízes conservadores que julgam e condenam sem provas, ao arrepio da lei e do Estado de direito ou do governador imaturo e irresponsável, pulando em via pública comemorando a morte de um sequestrador, jovem que sofria de esquizofrenia.

Vivemos um novo ciclo histórico nas lutas de classes, precisamos do sangue nos olhos dos moradores de Bacurau e de todo e qualquer sertão real, mas precisamos também de jovens, homens e mulheres que dominem a tecnologia e a guerra híbrida nesses tempos de Infovias e Bigdate.

Precisamos de mudanças de táticas com as mesmas objetivos estratégicos, como os Maoistas colocavam comunistas nas fábricas, vilas e favelas para organizar a classe trabalhadora, precisamos de jovens estudando as corporações tecnológicas, para sabermos como elas funcionam, operam e respiram, com seus algoritmos que visam esmagar a vontade popular e cercear o que resta de democracia representativa.

Na agudização da luta de classes, haverá tiros, rajadas e algoritmos, para resistir esse desmonte da nossa identidade de luta e resistência, necessitamos preservar nossa acúmulo histórico e cultural de negros e negras, mulheres do sertão, imigrantes europeus pobres, homens e mulheres herdeiros do cangaço e defensores da cultura e da ciência como o velho professor Plínio do filme.

João C. Novaes Luz
Educador e fotógrafo

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2014-2024. Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam

Cadastre-se

Receba novidades em seu e-mail. Sem spams.
Pular para o conteúdo