intersindical
Entrar
no grupo

Coletivo de mulheres da Intersindical lança mais uma edição da Revista Essas Mulheres

Revista Essas Mulheres 2017 - nº 2 | INTERSINDICAL
Imagem:
Compartilhe:

Essas Mulheres 2017

Lançar o segundo volume da revista Essas Mulheres em novembro de 2017, marca um movimento importante em nossa luta. A revista evidencia nosso combate aos retrocessos impostos por um governo ilegítimo, representado pela figura de Michel Temer, mas também, nos coloca num campo do movimento de mulheres que se reivindica negro, indígena, classista, que busca a transformação radical da sociedade e o fim das classes sociais, do racismo e do patriarcado.

Partindo desta perspectiva, abordamos nos artigos as questões que formam o tripé de dominação-exploração das mulheres: violência, trabalho e sexualidade. A matéria sobre aborto é necessária para refletirmos sobre a decisão em relação ao nosso corpo. Além de abordar a violência sexual e do Estado, fator que contribui para nos submeter aos espaços de não-decisão -seja em nossa própria vida, no trabalho ou na política.

Somado a isto, tratamos de questões fundamentais que expressam a violência contra a trabalhadoras. Como já sabemos, neste retrocesso de perda de direitos trabalhistas, são as mulheres negras quem primeiro são atacadas e submetidas de maneira mais dura ao sistema de exploração-dominação imposto todos os dias na sociedade capitalista.

Neste contexto, novembro marca a luta de tantas mulheres negras, indígenas, quilombolas, trabalhadoras, que estão e sempre estiveram à frente do processo de resistência e luta pela construção de uma sociedade livre de opressões, de dominações e de explorações. Nossas ancestrais são raízes que nos dão força cotidiana para todos os enfrentamentos, para todos os combates e para os avanços que conquistamos ao longo de nossa história.

Por outro lado, 2017 é ano da comemoração dos 100 anos da Revolução Russa, onde o protagonismo das mulheres e a luta contra a sociedade dividida em classes estava somada ao combate ao machismo.A revolução que tornou a Rússia socialista combatia também o patriarcado. Ao realizar políticas públicas para aumentar a participação das mulheres nos espaços de decisão, nos ensinavam que o combate ao patriarcado não é uma questão específica das mulheres e nem pode desaparecer das formulações e das práticas dos movimentos de esquerda.

É com a força e com os ensinamentos das nossas ancestrais, que arrancaram direitos da elite composta por homens brancos, racistas e sexistas, somado à inspiração das revolucionárias russas de 1917, que romperam com a ordem estabelecida e contribuíram com a transformação da Rússia, em socialista, que seguimos e seguiremos na construção de um feminismo popular, com a cara e voz d’Essas Mulheres trabalhadoras!

Clique aqui para baixar a Revista Essas Mulheres 2017

Edição 2016

Para ler a edição da Revista Essas Mulheres 2016, clique aqui.

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2014-2024. Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
intersindical

Cadastre-se

Receba novidades em seu e-mail. Sem spams.
Pular para o conteúdo