Golpe de 1964 foi para impedir distribuição de renda, afirma historiador Del Roio

Golpe de 1964 foi para impedir distribuição de renda, afirma historiador Del Roio
Imagem: Comunicação da Intersindical
Compartilhe:

Repórter Sindical entrevistou José Luiz Del Roio sobre o Golpe de 64 e seus impactos na vida dos trabalhadores

O golpe de 1964 foi um ataque à distribuição de renda. A síntese é de José Luiz Del Roio, escritor, historiador e ex-senador entrevistado pelo Repórter Sindical na Web, quarta, dia 3, na TV Agência Sindical e TV Guarulhos (canal 3 da NET). Sua entrevista segue tradição da Agência Sindical de, a todo aniversário do golpe, apresentar programa de TV sobre o tema.

Para o autor do livro “1º de Maio – Cem Anos de Lutas”, lançado em 1986, pela Cortez/Oboré, o ataque à renda se deu de duas formas. Ele explica: “Primeiro, pelo combate à reforma agrária, num tempo em que o trabalhador rural quase não tinha direitos e vivia em condições miseráveis. E pelo próprio arrocho salarial oficializado, acompanhado de repressão às entidades, que ficaram sem forças pra reivindicar”.

Ex-senador pela Lombardia, Itália, e também deputado em duas Câmaras europeias, o brasileiro de Bragança Paulista faz a conta: “Se o salário mínimo de 1964 tivesse sido mantido, seu valor hoje estaria perto de R$ 2,5 mil. Portanto, tudo o que estiver abaixo desses R$ 2,5 mil nos foi roubado por causa do golpe”.

Nação – Para o historiador e autor de mais de 20 livros, há um esforço contínuo da classe dominante contra o senso de Nação. “O esforço dessa classe submissa aos interesses internacionais, especialmente dos Estados Unidos, é impedir que se forme entre o povo um senso de nacionalidade, pois aí o espaço para seus interesses seria muito reduzido”, argumenta.

Ele recomenda à esquerda e aos setores populares, do alto de sua experiência de militante, intelectual e exilado, que não se percam em pautas secundárias, que dividem. Orienta: “A tarefa neste momento é combater a reforma da Previdência, levando informações nas fábricas, associações de moradores, nas igrejas. E um conversar com o outro, explicando a gravidade desse ataque”.

Chances – O jornalista João Franzin, apresentador do Repórter Sindical na Web, perguntou: – O Brasil está fragilizado por uma crise longa e profunda. Vai ser possível reerguermos o País? Sua resposta: “Sempre é possível. Na II Guerra, a Itália foi ocupada por 13 Exércitos e teve todas as suas cidades e vilas bombardeadas. Anos depois, estava reconstruída, por ação de uns 100 mil resistentes, nas cidades, campos e montanhas”. José Luiz Del Roio conclui: “E a nossa vantagem é que as potencialidades do Brasil são imensamente maiores do que as da Itália de então”.

ASSISTA À ENTREVISTA COMPLETA

Fonte: Repórter Sindical


CLIQUE E ACOMPANHE A INTERSINDICAL NAS REDES

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2024 Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
Pular para o conteúdo