MP parcela débitos com INSS em troca de apoio à reforma da Previdência

Imagem: Comunicação da Intersindical
Compartilhe:

Foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), desta quarta-feira, (17), a Medida Provisória (MP) 778/17, que parcela os débitos dos estados, Distrito Federal e municípios com a Fazenda Nacional, relativos às contribuições previdenciárias. A MP foi anunciada pelo presidente Michel Temer na “Marcha dos Prefeitos”, que ocorre em Brasília. Os débitos serão parcelados em 200 meses, com 25% a menos de encargos e multas, além da redução de 80% dos juros.

A proposta busca o apoio dos prefeitos para a reforma da Previdência (PEC 287/16) em tramitação na Câmara dos Deputados. Agora, o governo deverá pressionar os prefeitos para influenciar deputados a votarem a favor da proposta na Câmara.

Entende a MP

– 2,4% do valor total da dívida deverá ser pago sem reduções em até seis parcelas, entre julho e dezembro;

– o montante restante será dividido em até 194 parcelas, a partir de janeiro de 2018 – sobre essas parcelas que serão aplicadas as reduções de 80% dos juros e de 25% de multas e encargos, inclusive advocatícios; e

– o valor dessas 194 parcelas será equivalente ao saldo da dívida fracionado ou a 1% da média mensal da receita corrente líquida do ente federativo ou municipal.

Retenção

Será pago o menor desses dois valores, e será retido e repassado à União por meio do Fundo de Participação dos Estados e do Distrito Federal e por meio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Encerrado o prazo de parcelamentos, havendo ainda resíduos a serem pagos, poderão ser quitados à vista ou parcelados em até 60 prestações.

Tramitação

Será constituída comissão mista do Congresso Nacional para emitir parecer sobre a proposta. Depois, o texto será examinado pelo plenário da Câmara e, sem seguida, pelo do Senado.

As medidas provisórias têm força de lei desde a edição e vigoram por 60 dias, podendo ser prorrogadas uma vez por igual período. Se em 45 dias a Câmara e o Senado não tiverem concluído a votação da MP, passará a trancar a pauta da Casa em que estiver tramitando. Ou seja, nenhuma proposta legislativa poderá ser votada no plenário da Casa onde estiver a MP, até que se conclua sua votação.

Se a Câmara ou o Senado rejeitar a MP ou, ainda, se perder a eficácia, os parlamentares terão que editar um decreto legislativo para disciplinar os efeitos que tenha gerado durante sua vigência.

Se o conteúdo da MP for alterado, passa a tramitar como projeto de lei de conversão (PLV). A Câmara dá a palavra final sobre o projeto, já que todas as medidas provisórias começam a tramitar na Casa. Sempre que há alteração, o projeto é enviado à Presidência da República para sanção.

Fonte: DIAP

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2024 Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
Pular para o conteúdo