Entrar

Pará e Goiás vão terceirizar a educação para a iniciativa privada

Imagem: Comunicação da Intersindical
Compartilhe:

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora

Os governos do Pará e de Goiás têm um projeto claro de ataque à educação pública por meio de parcerias público-privadas (PPPs) ou organizações sociais (OSs).

O Pará, por exemplo, já teve uma primeira experiência em terceirizar a educação à iniciativa privada ao contratar escolas particulares para ministrar aulas de reforço a alunos de 5° e 9° anos do ensino fundamental e 3ª série do ensino médio.

O processo licitatório, iniciado este ano, obedeceu regras estipuladas no contrato de empréstimo como o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O gasto com a iniciativa foi de quase R$ 11 milhões.

O governador do Pará Simão Jatene (PSDB) já deu o aval para a implementação de um modelo de gestão educacional do tipo Escolas Charter, em contrato a ser assinado com o IFC (Corporação Financeira Banco Mundial).

Como é o modelo de Escolas Charter

Uma empresa qualquer, apresenta um projeto, dentro de regras pré-estabelecidas pelo Ministério da Educação (MEC) para administrar uma ou mais escolas públicas, no caso do Pará, a previsão é de 50 escolas, bem como a secretaria de educação da área que a abrange.

É assinado um contrato onde cláusulas deixam claras as propostas pedagógicas, a empresa assume metas que deverão ser atingidas e o governo entra com o pagamento.

“A aplicação de medidas privatizantes com a desculpa de que o aparelho do Estado é ineficiente e exige muitos investimentos e despesas aos cofres públicos tem sido a principal política dos governantes. Para ajudar o capital a manter seus lucros vão transferir dinheiro do setor público para o setor privado via financiamento direto e privatização dos serviços verpúblicos”, enfatiza Mônica Brito, Secretária de Combate às Opressões da Intersindical Central da Classe Trabalhadora e dirigente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública no Estado do Pará (Sintepp).

O governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), também estuda adotar o modelo de Escolas Charter. Ele já disse, em entrevistas, que depois da Saúde, no qual em 2011 as principais unidades hospitalares foram repassadas para a administração das OSs, a Educação será a próxima área a ser submetida ao novo modo administrativo.

Plano Nacional de Educação é conivente

O novo Plano Nacional de Educação (PNE) aprovado 2011-2020, infelizmente legitima essa política que orienta a contabilização dos custos com as matrículas incluindo as parcerias público-privadas na meta 20, que trata do financiamento da educação, respaldando investimento público no setor privado.

Essa política prevê que, caso o governo invista 10% do PIB (Produto Interno Bruto) até o final da década, somando essas parcerias, a educação pública só poderá contar com investimento equivalente a 8%, montante insuficiente para o cumprimento das demandas do PNE. Isso sem falar na limitação ao estímulo do PNE às políticas de remuneração dos professores.

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
1 Comentário
Mais antigos
Mais recentes Mais votados
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2014-2024. Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
Pular para o conteúdo