Entrar

Solidariedade com Cuba: Visita da Delegação da Intersindical ao Consulado Geral de Cuba

Imagem: Comunicação da Intersindical
Compartilhe:

Delegação da Intersindical no Consulado Geral de Cuba em São Paulo

Nesta quarta-feira, 15 de maio, a delegação da Intersindical Central da Classe Trabalhadora visitou o Consulado Geral de Cuba em São Paulo, sendo recebida pelo cônsul Benigno Pérez. Estiveram presentes na ocasião a Secretária Geral da Intersindical, Nilza Pereira de Almeida, e os membros da direção nacional Ricardo Saraiva Big (Secretário de Relações Internacionais) , Pedro Otoni (Secretário de Formação) , e Élcio Quintas (Presidente do Sindicato dos Bancários de Santos), Edson Carneiro Índio (Direção Nacional da Intersindical) e Robson Dias (Sindicato dos Bancários de Santos).

O objetivo do encontro foi apresentar a Intersindical ao cônsul recém empossado e reafirmar a solidariedade da central com a Revolução Cubana. Foram destacados o caráter internacionalista da formulação sindical da Intersindical e seu compromisso com a autodeterminação dos povos.

Durante a reunião, o cônsul Benigno Pérez ressaltou a importância da solidariedade internacional a Cuba, especialmente no atual contexto de grandes dificuldades enfrentadas devido ao bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos, que já dura mais de 60 anos. Com o endurecimento das sanções após a administração Trump e a continuidade sob a administração Biden, que produz prejuízos monumentais ao povo cubano.

O cônsul também destacou a relevância do Governo Lula na normalização das relações diplomáticas entre Cuba e Brasil, que foi extremamente prejudicado pelo governo anterior. Atualmente o Governo Brasileiro tem cooperado com Cuba em especial no tema do turismo e da produção agropecuária e segurança alimentar.

Ressaltou-se ainda a necessidade de debater e difundir informações sobre o bloqueio imperialista e envolver o movimento sindical em ações de solidariedade ao povo cubano. O Cônsul enfatizou a importância de conscientizar a sociedade brasileira sobre a real situação cubana, que hoje não pode ser entendida, sem considerar as graves violações do direito internacional impostos pelos EUA à economia do país caribenho.

A Intersindical reafirmou seu compromisso de apoio à causa cubana e a necessidade de ações concretas em prol da solidariedade internacional. Inclusive, a central enviou este ano 7 membros de suas entidades filiadas para participarem do Curso de Formação promovido pela Central de Trabalhadores Cubanos – CTC, para o Ato de 1° de Maio em Havana e para a Conferência Internacional de Solidariedade à Cuba, atividades realizadas entre os dias 22 de abril e 05 de Maio deste ano.

Entenda mais sobre o Bloqueio à Cuba

Desde 1960, Cuba enfrenta um rigoroso bloqueio econômico imposto pelos Estados Unidos, que se intensificou em 1962 sob a presidência de John F. Kennedy. A justificativa inicial foi o alinhamento de Cuba com a União Soviética durante a Guerra Fria, uma época marcada por tensões geopolíticas. Esse bloqueio, formalmente denominado Embargo Comercial, Econômico e Financeiro, proíbe a maioria das exportações americanas para Cuba e restringe severamente as importações cubanas. O bloqueio tem como objetivo principal derrotar a Revolução Cubana e impor uma restauração capitalista na Ilha, retornando sua condição de protetorado dos EUA, tal como acontece em Porto Rico nos dias atuais.

Atualmente, o bloqueio econômico continua a ser um ponto controverso nas relações internacionais. Diversos países e organizações internacionais, incluindo a Assembleia Geral das Nações Unidas, têm criticado veementemente o embargo, argumentando que ele constitui uma violação dos direitos humanos e um obstáculo ao desenvolvimento econômico de Cuba. O impacto sobre a economia cubana é significativo, resultando em escassez de produtos básicos, limitações no acesso a tecnologias e dificuldades na atração de investimentos estrangeiros. Estima-se que o bloqueio tenha causado prejuízos econômicos superiores a 130 bilhões de dólares ao longo de seis décadas.

Os efeitos do bloqueio são profundamente sentidos pela população cubana, exacerbando problemas sociais e econômicos. A saúde pública, por exemplo, é uma área fortemente afetada, com dificuldades no acesso a medicamentos e equipamentos médicos modernos. Apesar das medidas de flexibilização temporária adotadas durante o governo Obama, as sanções foram novamente “endurecidas” sob a administração Trump, e mantidas pela administração Biden, perpetuando um ciclo de dificuldades. A continuidade do bloqueio viola o direito internacional uma vez que promove de maneira deliberada uma interferência à política interna de um país soberano, além de penalizar, sobretudo, a população civil.

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2014-2024. Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
Pular para o conteúdo