Carta de repúdio de Rosalina Santa Cruz às honras feitas ao falecimento e ex-Chefe do DOI-CODI

Imagem: Comunicação da Intersindical
Compartilhe:

Carta de repúdio de Rosalina Santa Cruz, militante presa e torturada pela ditadura civil-militar, que teve seu irmão, Fernando Santa Cruz, também preso e desaparecido sob ordens do então chefe do DOI-CODI, Leônidas Pires Gonçalves, falecido no último dia 4 de junho.

“Nós, familiares de Fernando Santa Cruz, preso em Fevereiro de 1974 e desaparecido até hoje estamos mais uma vez chocados e revoltados ao ver mais um militar diretamente ligado ao assassinato e a ocultação, não só do cadáver de meu irmão, como das circunstâncias da sua covarde morte, sendo enterrado com honras militares quando devia estar na cadeia, denunciado como assassino e torturador que era.

Pois afinal quem comanda e permite o terrorismo de Estado e adota a tortura como uma pratica corriqueira em seus quartéis é tão responsável ou até mais que aqueles que a executam.

Uma, das primeiras noticias que tivemos sobre o desaparecimento de Fernando, foi dada pelo sargento Marivaldo Chaves que declarou que Fernando e Eduardo Collier (preso na mesma ocasião com Fernando – os dois são desaparecidos até hoje) haviam sido esquartejados na Casa da Morte de Petrópolis no Rio, onde haviam sido presos e onde o Sr. Leonidas poucos dias depois era nomeado Comandante.

Uma nova noticia nesta mesma direção vem pelo delegado Claudio Guerra que afirma que Fernando e Eduardo foram levados por ele da Casa de Petrópolis para serem cremados na Usina de Campos.

A Comissão Nacional da Verdade em seu relatório final, também não deixa claro onde e em que circunstancia tanto Fernando quanto Eduardo foram assassinados e como desapareceram com seus restos mortais.

A Comissão Nacional da Verdade conclui que pode ter sido no DOI-Codi de São Paulo ou na Casa da Morte de Petrópolis. Mais uma vez estamos no mesmo lugar com as mesmas informações que nós mesmos enviamos para a CNV, aliás muito mais reduzidas, incompletas e com erros foram colocadas naquele relatório.

Até onde veremos militares assassinos e torturadores com seus nomes sendo homenageados em praças, ruas, avenidas, viadutos etc ou enterrados como heróis como estamos vendo agora, enquanto que nossos heróis continuam insepultos?

Justiça e apuração… É o que reivindicamos ao governo brasileiro.”

Rosalina Santa cruz

Leia Também:
Ministro da Defesa zomba da CNV ao prestar honras militares ao general torturador Leônidas
Fórum de trabalhadores realiza ato por justiça e reparação das violações durante a Ditadura
Para cumprir as tarefas de justiça e reparação é preciso responsabilizar o empresariado

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2024 Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
Pular para o conteúdo