intersindical
Entrar
no grupo

Tomar as ruas contra o desmonte da Previdência! Trabalhar até morrer? Tô fora!

Imagem:
Compartilhe:

Saiba mais:
Pressione deputados da Comissão Especial da Reforma da Previdência: acesse a lista!
 15 de março: Se você não lutar, sua aposentadoria e direitos trabalhistas podem acabar
 15 de março: parar contra o desmonte da previdência, a terceirização e o fim dos direitos trabalhistas
→ Baixe o Jornal da Reforma da Previdência
→ Vídeo (2 min.): Desmascarando a Farsa do Rombo da Previdência
 Vídeo (3 min.): Wagner Moura e Povo Sem Medo explicam a reforma da Previdência


O governo está acertando as contas com quem financiou o golpe. Não se trata de reformar a Previdência Social. Trata-se de destruir o sistema da Seguridade Social – que engloba a Previdência, Assistência Social e Saúde públicas – para transferir uma parte ainda maior do orçamento público ao sistema financeiro e incentivar a compra de planos privados.

Se a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 287/16 for aprovada nos próximos dias, o trabalhador brasileiro poderá se aposentar somente a partir dos 65 anos, com um valor abaixo do salário mínimo, e isso se comprovar 25 anos de contribuição ao INSS.

A PEC torna inatingível o direito à aposentadoria pública e deixa a classe trabalhadora sem qualquer proteção do Estado nas fases mais vulneráveis da vida, como doença, acidentes, desemprego e velhice. Condena os brasileiros a trabalhar até a morte.  Extingue a aposentadoria por tempo de contribuição e as aposentadorias especiais (com exceção de militares e políticos), unifica regras para homens e mulheres, rurais e urbanos, sejam eles do setor público ou do privado.

A PEC 287 desmonta o sistema de proteção social para fazer o povo trabalhar por mais anos, com salários achatados, sem direito a férias, horas extras, 13°, FGTS, e aposentadoria em benefício dos grandes empresários.

Haverá uma redução drástica do valor dos benefícios previdenciários – inclusive das aposentadorias de quem hoje já está aposentado.

O governo Temer esconde os riscos  de transferir tal atribuição a empresários que só têm um único objetivo: enriquecer. Não haverá garantia sobre o pagamento dos seguros e previdências privados em caso de falência das contratadas.

Sem contar que o pagamento das pensões públicas abaixo do salário mínimo, como propõe o governo, corrói a economia e compromete a manutenção da estabilidade social.

O governo golpista usa os meios de comunicação para alarmar sobre um suposto “rombo” na Previdência Social. Tudo para impedir que o povo vá às ruas e pressione deputados e senadores a votarem contra esse desmonte.

Silenciosamente, Michel Temer intensifica medidas que diminuem a arrecadação dos impostos que financiam a Seguridade Social, numa clara ação para enfraquecê-la de propósito para fins de privatização.

A propaganda do governo engana a sociedade ao mostrar parte do orçamento e dizer que existe déficit na Previdência. É mentira! Vamos às ruas resistir até o fim! Trabalhar até morrer, tô fora! Fora Temer! Fora golpistas!

INTERSINDICAL – Central da Classe Trabalhadora
Clique aqui e curta nossa página no Facebook
Inscreva-se em nosso canal no YouTube

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2014-2024. Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
intersindical

Cadastre-se

Receba novidades em seu e-mail. Sem spams.
Pular para o conteúdo