Entrar

Tribunal de Justiça da Suíça decide que motoristas da Uber são empregados da empresa

Imagem: Comunicação da Intersindical
Compartilhe:

Tribunal Superior da Suíça decidiu que os motoristas da Uber devem ser considerados empregados da companhia

Na última sexta-feira (3 de junho), o Tribunal Superior da Suíça decidiu que os motoristas da Uber devem ser considerados empregados da companhia, e ratificou a decisão de Genebra, onde é exigido o cumprimento da lei para a continuidade das atividades da empresa na região.

“Segundo o Supremo Tribunal Federal, o tribunal de cantão não atuou arbitrariamente ao decidir que os motoristas da Uber, que trabalhavam em Genebra, tinham vínculo empregatício com a Uber BV. O Supremo Tribunal Federal nega provimento ao recurso correspondente”, comunicou a Corte.

Serviços suspensos

“Em resumo, os motoristas de Uber não podem mais ser considerados como autônomos, mas reconhecidos como empregados”, destacaram as autoridades. Portanto, a partir da meia-noite do último sábado (4), a empresa não pode mais funcionar em Genebra.

A empresa afirmou sobre a decisão, que não há “outra opção além de suspender temporariamente [seus] serviços no cantão até uma retomada do diálogo com as autoridades para que seja encontrada uma solução aceitável para todos”.

A Uber é acusada em vários países de infringir os padrões nacionais de proteção ao trabalho, esquivando-se de negociações coletivas com seus motoristas parceiros.

Motoristas de Uber no Brasil

No dia 28 de abril, José Carlos Oliveira, Ministro do Trabalho e Previdência, afirmou que o governo tem a intenção de regulamentar, ainda em 2022, o serviço prestado por trabalhadores que mantêm vínculos com as plataformas de aplicativo, como iFood e Uber.

Embora a proposta seja para evidenciar o fato de que esses trabalhadores não têm vínculo empregatício, ela torna obrigatório o recolhimento para a Previdência Social.

Oliveira afirmou que “tem um desenho adiantado”, e acrescentou que ainda falta realizar a conciliação de interesses para poder fazer o anúncio da proposta ainda este ano. O governo pretende enquadrar os trabalhadores de aplicativo na modalidade de prestadores de serviço.

O sistema de prestadores de serviço – pessoa física prevê que a empresa faça o desconto na fonte e que recolha todo mês para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a contribuição do trabalhador e a patronal, que deve ser menor que os 20% cobrado dos empregadores. O eSocial será a plataforma por onde tudo será feito.

Ver matéria original aqui

Acha esse conteúdo importante? Entre em nosso grupo de WhatsApp ou inscreva-se para receber nossa Newsletter

Comente esta publicação

Acompanhar a discussão
Notificar de
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários
INTERSINDICAL Central da Classe Trabalhadora | 2024 Sede Nacional: Rua Riachuelo, 122 - CEP: 01007-000 | Praça da Sé - São Paulo - SP | Fone: +55 11 3105-5510 | E-mail: [email protected] Sindicatos e movimentos sociais. Permitida a reprodução dos conteúdos do site, desde que citada a fonte. Esse site é protegido por reCAPTCHA. Políticas de Privacidade e Termos de Serviço se aplicam
Pular para o conteúdo